Terça-feira, 4 de Dezembro de 2007

(4) Crescer Entre Entardeceres

CRESCER ENTRE ENTARDECERES
 
Cresci entre o entardecer disfarçado pela luz eléctrica.
E o entardecer demorado e mágico do lugar,
que sem me ver nascer, adoptou. E eu a ele.
Sonhos e promessas em olhares sem pressa.
Resgatados em ofertas de prazer.
Sinto-me imensa quando o olhar pousa nas ramagens altas
do topo dos pinheiros.
A alma ensurdece, às angústias que a atulham (não sei porque razão).
E adormece na música do vento,
que brinca por entre flores mato e árvores.
Crescem á solta sem ninguém a empatar o espreguiçar da vontade.
O céu estende-se, de mim até onde os olhos chegam.
Os cheiros chegam a mim (não sei de que flores), são tantos!
Os verdes misturam-se com a cor da terra.
E eu resulto … adiada … A tentar distingui-las, separá-las.
Simples distracção. Não as quero desacasalar. É assim que as amo!
Num amontoado de vida que vive sem cercas.
Queria partilhar contigo este prazer.
Não saberei nunca encontrar a palavra certa,
para cada emoção a nascer,
quando por aqui desamarro os olhos.
Voltam tristes, na hora da partida.
Agarram a catadura que deixaram,
onde o céu espreita nos espaços deixados entre prédios;
No verde preso numa e outra varanda
a fabular as cores que guardo no peito.
Aqui não fui mais feliz que em qualquer outro lugar.
Nasci com a alma a pedir abraços ao mundo!
Mas aqui… Sossega-me a alma no alto dos pinheiros
a olhar o céu que não tem fim.
 
Ana Rita
publicado por poesiaemrede às 01:13
link do post | comentar | favorito
|
7 comentários:
De Maria João a 13 de Janeiro de 2008 às 15:41
Muito interessante este CRESCER ENTRE ENTARDECERES. Sei que não se pode avaliar um poeta por um só poema, mas gostaria muito d conhecer mais algumas obras da Ana Rita.
De Anónimo a 20 de Março de 2008 às 14:19
quem sabe um dia vou conseguir mostrar mais poemas. os que guardo na(s) gaveta(s).
De Maria João a 13 de Janeiro de 2008 às 15:56
Estou a gostar muito deste POST. É mais uma forma de motivar as pessoas a descobrirem os poetas que, sempre, existem dentro de si... e de aprenderem, também na criatividade, a separar o trigo do joio. Em última instância, de fazer nascer joio que até pode ter umas espigas de trigo pelo meio e que, por isso, também é muito bem vindo...
Só não entendo porque é que os "criadores" do POST são anónimos...
Tive dois amigos que se recusaram a participar por causa disso.
Bom, ficou à espera de mais trigo... mesmo que traga algum joio à mistura. Porque a Poesia também se constrói!
De Poesia em Rede a 19 de Janeiro de 2008 às 01:52
O que é mais importante: Camões, ou os Lusíadas?!
De poetaporkedeusker a 20 de Janeiro de 2008 às 22:35
Vita brevis, Ars aeterna... a obra sobrevive sempre ao autor.
De yodleri a 8 de Março de 2008 às 17:45
Por outras palavras: A obra pode-se roubar, o autor é roubado! lol
De poetaporkedeusker a 8 de Março de 2008 às 18:02
Pois é amigo. E o autor fica felicíssimo por ser "roubado"! Desde que escrevam o seu nome por baixo, claro!
Há quanto tempo o homem não deixou de existir?! Refiro-me ao Luiz Vaz, é evidente! Talvz eu fosse uma criancinha um tanto ou quanto invulgar, mas sempre adorei ler Os Lusíadas. Acho que foi à custa dele que nunca mais me esqueci de como se dividem as frases em orações...

Comentar post

Site_Poesia_em_Rede

.Poemas a Concurso

. Poemas da Minha Terra - P...

. (87) Portugalidade

. (86) Na Minha Terra

. (85) Cidade do Porto

. (84) A Minha Casa

. (83) Minha Terra

. (82) A Minha Terra

. (81) A Minha Terra

. (80) Do Alto da Serra Alg...

. (79) Onde Penduro o Chapé...

. (78) Minha Terra, Aldeia ...

. (77) Coimbra

. (76) Daqui Eu Vejo

. (75) Numa Aldeia Adormeci...

. (74) Não me alcunhei de C...

. (73) Saudades de ti

. (72) Um dia na minha Terr...

. (71) "Há coxas nuas a cor...

. (70) Um Suspiro!

. (69) "O Mundo dos cheiros...

. (68) Arruda

. (67) Ilha Encantada

. (66) "A Minha Terra"

. (65) Terra de Portugal

. (64) Minha Terra Eurotupy...

. (63) A Madeira é um Jardi...

. (62) Terra Minha Jamais E...

. (61) Reminiscências e Coi...

. (60) Malanje, Minha Terra

. (59) São Fragâncias Única...

. (58) "A Minha Terra"

. (57) A Minha Terra

. (56) A Praça

. (55) Besteiras - Uma Pequ...

. (54) Moçambique

. (53) Oh terra minha de en...

. (52) Horizonte Brasileiro

. (51) Minha terra...

. (50) A Minha Terra

. (49) Praia das Pérolas Pe...

. (48) A Minha Terra

. (47) Ericeira - Meu berço...

. (46) No Vale dos meus Bar...

. (45) Uma Aldeia de Viseu

. (44) Segredos Revelados

. (43) Saudades da Arrábida

. (42) A Representação do M...

. (41) Espécie de fuga do m...

. (40) Homossexualidade Urb...

. (39) Figueira que dá Rosa...

.Mais Poemas a Concurso

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

.Projecto

blogs SAPO

.subscrever feeds

Contador de visitas
Contador de visitas