Sábado, 22 de Dezembro de 2007

(18) Territorialidade

TERRITORIALIDADE


Meu altar entre concha e girassol,
Meu estro, meu luar de incenso e prata,

Tão humilde é a voz que te retrata

Quão desmedida a luz desse teu sol...

 

Tua planura imensa como imagem

De uma capela erguida junto ao mar…

Eu ergo a minha voz para te cantar

Uma canção que vem dessa paisagem.

 

Quem dera ir mais além, cantar mais alto

A serena beleza que me envolve

Sobre este chão salgado onde nasci

 

Onde a terra e o mar, num sobressalto,

Justificam a paz que agora absolve

A vida de ilusões que vivo aqui…

 


Maria João Basílio Brito de Sousa 

publicado por poesiaemrede às 01:46
link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De L.B. a 23 de Dezembro de 2007 às 19:54

Lindo o soneto!

Gostava de escrever assim, de saber dizer a luz, a cor, a beleza... como quem pinta um quadro. O quadro que tive o privilégio de admirar lendo as suas palavras.
Obrigado!
De Azoriana a 7 de Janeiro de 2008 às 11:02
Gostei imenso. Está lindo.
De Eduardo Lopes a 10 de Janeiro de 2008 às 22:09
Um poema maravilhoso que nos faz reflectir e sonhar.
Obrigado por este pedacinho de beleza!
De mariaivonevairinho@sapo.pt a 16 de Janeiro de 2008 às 01:31
Maravilhoso soneto, perfeito na métrica, na acentuação, na riqueza da metáfora, com "fecho" de ouro. Um tesouro na depuração da palavra.
É muito bom constatarmos que em Portugal ainda há quem saiba escrever tão bem em moldes clássicos.
Parabéns, Maria João, por esta verdadeira "pérola" de Poesia!
Maria Ivone Vairinho
De lourenco almada a 21 de Janeiro de 2008 às 19:00
Leve, suave é este poema que nos embala para o Divino e para o melhor que há em nós. Parabéns.
Lourenço de Almada
De RAMA LYON a 23 de Fevereiro de 2008 às 15:04
Que posso eu, dizer mais do que aquilo que atrás já ficou descrito?...
Simplesmente...maravilhoso este poema.
Parabéns

RAMA LYON
De poetaporkedeusker a 17 de Março de 2008 às 11:17
Peço desculpa por só agora agradecer o seu coment´rio, RAMA LYON. Estou com muito trabalho e tenho vindo muito pouco até aos "Poemas da Minha Terra". Mais vale tarde do que nunca, não é verdade?
De RAMA LYON a 25 de Abril de 2008 às 13:52
PARABÉNS...
Pelo triunfo alcançado e tão bem merecido...

Comentar post

Site_Poesia_em_Rede

.Poemas a Concurso

. Poemas da Minha Terra - P...

. (87) Portugalidade

. (86) Na Minha Terra

. (85) Cidade do Porto

. (84) A Minha Casa

. (83) Minha Terra

. (82) A Minha Terra

. (81) A Minha Terra

. (80) Do Alto da Serra Alg...

. (79) Onde Penduro o Chapé...

. (78) Minha Terra, Aldeia ...

. (77) Coimbra

. (76) Daqui Eu Vejo

. (75) Numa Aldeia Adormeci...

. (74) Não me alcunhei de C...

. (73) Saudades de ti

. (72) Um dia na minha Terr...

. (71) "Há coxas nuas a cor...

. (70) Um Suspiro!

. (69) "O Mundo dos cheiros...

. (68) Arruda

. (67) Ilha Encantada

. (66) "A Minha Terra"

. (65) Terra de Portugal

. (64) Minha Terra Eurotupy...

. (63) A Madeira é um Jardi...

. (62) Terra Minha Jamais E...

. (61) Reminiscências e Coi...

. (60) Malanje, Minha Terra

. (59) São Fragâncias Única...

. (58) "A Minha Terra"

. (57) A Minha Terra

. (56) A Praça

. (55) Besteiras - Uma Pequ...

. (54) Moçambique

. (53) Oh terra minha de en...

. (52) Horizonte Brasileiro

. (51) Minha terra...

. (50) A Minha Terra

. (49) Praia das Pérolas Pe...

. (48) A Minha Terra

. (47) Ericeira - Meu berço...

. (46) No Vale dos meus Bar...

. (45) Uma Aldeia de Viseu

. (44) Segredos Revelados

. (43) Saudades da Arrábida

. (42) A Representação do M...

. (41) Espécie de fuga do m...

. (40) Homossexualidade Urb...

. (39) Figueira que dá Rosa...

.Mais Poemas a Concurso

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

.Projecto

blogs SAPO

.subscrever feeds

Contador de visitas
Contador de visitas